Precificação. Como fazer? Por onde começar?

Antes de mais nada, esse conteúdo também foi gravado em formato de vídeo:



Então, vamos lá: como precificar um produto ou serviço?


1) Entenda os seus custos fixos e custos variáveis.


Os custos fixos são aqueles que não variam se sua produção aumenta. Por exemplo: internet, aluguel, condomínio, leasings, salário base, etc.

Custos variáveis são aqueles que variam conforme a demanda. Por exemplo: custos de marketing, embalagens, comissões, combustível, energia elétrica (caso ela esteja associada à produção do seu produto), impostos relacionados às vendas, etc.

Formatando esses custos você consegue visualizar a base de onde partirá sua precificação.

Se você vender a um valor menor ou igual ao seu custo, você estará tendo prejuízo ou empatando seu negócio. E isso é o que há de mais frustrante para alguém que empreende.

2) Entender o valor do seu produto para seu público

Além do preço de custo, cada produto ou serviço tem um valor agregado. Um valor percebido. Um problema que ele resolve e que pode ou não ser percebido como valor para seus clientes.

Por exemplo: um serviço premium que resolve um monte de problemas de seus clientes deve ser precificado baseado também no valor que ele entrega, e não simplesmente pelo custo ou tempo investido no serviço em si.


3) Margem de lucro

A partir do momento em que você entende seus custos, e seu cliente percebe valor para seu produto ou serviço, você pondera bem a margem que você adicionará ao seu custo. Lembrando que essa margem precisa pagar todos os custos: fixos, variáveis, impostos… e deixar uma margem para que seu negócio tenha capital de giro para continuar existindo e entregando valor a seus clientes.

O preço final de seu produto deve ser a combinação de custos + valor agregado + margem.


Com isso seu negócio continuará vivo e ativo por muitos anos!


Forte abraço!

Lucas Gurgel CEO Betel Contabilidade

7 visualizações0 comentário